:: Tradução Juramentada ::

Pelas andanças blogosfericas da minha vidinha virtual encontrei um texto muito interessante sobre tradução juramentada. Aí vocês me perguntam o que tem de interessante nisso, acertei?! Pergunta a brazucada que já casou um um estrangeiro, egípcio especificamente, sobre toda a odisseia burocratica que com certeza todas elas já tiveram altas dores de cabeça e uma delas é o tal tradutor juramentado. O texto não resolve os problemas relativos a eles, mas pelo menos faz com que nós conheçamos teoricamente como que funciona a coisa. Enjoy it!

***

A tradução juramentada, como é comumente conhecida a tradução pública, e aquela feita por um tradutor público nomeado e registrado na junta comercial de seu estado de residência. Somente a tradução juramentada (pública) tem reconhecimento oficial de instituições e órgãos diversos e validade legal.

A tradução é converter o texto de uma língua estrangeira para a língua nativa do tradutor e a versão, o inverso.

A tradução juramentada pode ser feita de textos comuns, os quais não exigem a consulta de dicionários especializados, e de textos técnicos, científicos e jurídicos, ditos textos especiais, e que exigem a consulta de dicionários especializados.

Em termos de formato, a tradução pública segue um padrão próprio. Ela começa com um parágrafo contendo a identificação do tradutor público, do documento a ser traduzido e do solicitante da tradução. A seguir segue a tradução propriamente dia. Uma particularidade da tradução pública é que ela deve descrever fielmente o documento original, inclusive carimbos, selos, brasões, escudos, assinaturas e outras marcas específicas do documento. A tradução pública é encerrada com um parágrafo que diz que nada mais consta do documento e que a tradução ou versão é fiel ao original.

Via de regra, a tradução pública só é feita a partir de documentos originais, contudo, é aceitável a tradução a partir de documentos eletrônicos, como e-mails, imagens digitalizadas e faxes. Entretanto, o tradutor deve especificar tal fato no corpo da tradução e caberá ao solicitante verificar a sua aceitabilidade para os fins desejados.

Partes do documento podem ser omitidas em atendimento a pedido do solicitante; contudo, novamente, o tradutor deverá mencionar tal fato na tradução.

No caso de tradução (do idioma estrangeiro para o português, pode ser necessária a consularização do documento, isto é, a comprovação pelo consulado do país de origem do documento de sua autenticidade. A consularização é geralmente exigida para diplomas e históricos escolares e deve constar no corpo da tradução também.
Em todas as páginas devem constar o número da tradução, o número de livro de arquivamento, e das páginas e o carimbo com o nome, idiomas de trabalho e número de registro do tradutor público. Os livros de traduções deverão ser registrados na junta comercial á que o tradutor pertencer.

Fonte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s