● Caminhando geriatricamente ●

Final dos tempos!!

E lá estava eu prontinha pra guerra contra a balança na minha super armadura: tenis, short e camiseta. Era pouco menos das quatro e meia da madruga, o céu ainda estava escurinho da Silva, resolví então dar mais um tempinho pra me jogar no parque. Fiquei aqui na net jogando cliques fora, quando de repente a porta do meu quarto se abre, quer dizer, alguém a abre! Adivinha o que meus olhos viram? Minha mãe fantasiada de fantasma: camisola branca daqueles panos fluorescentes, cheia de florzinha e cabelos arrepiados:

– Tu vai caminhar é?

Gente, mas isso era pergunta que se fizesse a uma pessoa vestida de camiseta, short e tenis? Dormir com aqueles trajes era que eu não ía né! Mas em respeito a geriatria dela e levando em consideração o estagio entre o sono e o mundo real, eu resolví ser mais maleável:

– É, daqui a pouco tô indo…

Pensei que como de costume ela iria reclamar por eu ir caminhar tão cedo e começar com o Sermão da Montanha, me mandando ter cuidado até com a minha sombra, afinal, nunca se sabe quando uma bala perdida pode nos alcançar. É, as vezes ela consegue ser tão dramática quanto atores de novela mexicana… mas, dessa vez o comentario foi diferente:

– Acho que vou contigo…

Gente! Será que eu estava sonhando?! Minha mãe se oferecendo pra fazer caminhada comigo… Final dos tempos! Pra minha surpresa ela se arrumou mesmo e em poucos minutos já estava me chamando pra se jogar no parque. Claro que fiquei feliz por ela né, afinal fazia tempo que eu tentava convencê-la a fazer algum exercicio, até mesmo porque era ordem do médico dela. E lá vamos nós! Da minha casa pro parque da menos de 1km, é bem pertinho, em pouco mais de cinco minutos eu chego lá. Eu né! Minha mãe levou mais que o dobro, e claro que eu não poderia deixá-la sozinha, tinha que dar o apoio moral. Estávamos mais pra noivas a caminho do altar do que esportistas rumo a pista de cooper, mas contei até dez mil, pedi paciencia a Cristo e o pessoal todinho lá de cima, respirei fundo e vamos nessa. Chegando lá no parque, tambem achei chato ir embora na frente e deixá-la sozinha lá atrás, aquele era o primeiro dia de caminhada da geriátrica, então eu tinha que dar apoio né, caso contrario seria o primeiro e único dia de caminhada dela, e lá vai eu a passos de tartaruga. No meu ritmo eu dou 10 voltas em quase duas horas, com minha mãe só deu pra dar 3 nesse mesmo tempo. Já voltei pra casa consciente de que naquele dia não tinha perdido nem meio grama, mas… fiquei feliz porque ela finalmente estava saindo da vida sedentaria, só me preocupei porque ela ficou tão animada que decidiu fazer caminhada todos os dias comigo, mas daí eu tinha que arrumar um plano B né, caso contrario as caminhadas não seriam uteis em nada pra mim, eu serviria só de companhia pra a geriatria…

E agora?! Amanhã conto a vocês 😛

Anúncios

4 Respostas para “● Caminhando geriatricamente ●

  1. Você quer testar se minhas coronárias estão funcionando né? ou quer me matar de rir?
    Tadinha…esse apelido…deixa ela saber.
    Mas a história de caminhar junto todo dia…danou-se
    Minha mãe parece ser um pouco como a sua…aliás qual não é?
    Bjo grande sumida!

    • Nadir Araújo

      Ahhh mas eu já dei um jeito nisso. Ela arrumou uma amiga da geriatria também e elas caminham no mesmo ritmo… Ufa! me livrei…

  2. Tem como não rir da maneira que tu descreve a cena da tua mãe aparecendo na porta????heauheauehua…Tu precisa ir caminhar com meu pai…ele tb levanta a essa hora(já dorme pronto,só é calçar os sapatos) e corre que é uma beleza..só quer ser o Asafa Powell!!aheuaheuahu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s