Arquivo da categoria: O cotidiano

O agradecimento que não veio


Precisei de sair com o carro, olhei pela janela da sala e logo ví um caminhão DESTE TAMANHO estacionado bem em frente a minha garagem. Respirei fundo, contei até dez, recordei a educação que meus pais me deram e me direcionei ao portão. Ao abri-lo tinha um carinha fardado sentado à beira da calçada:

– Vai sair, moça?!

Olhei pra ele e por um segundo pensei em responder a la seu Lunga mais ou menos assim:

– Não, moço. É que me deu vontade de olhar o movimento na rua e pelo portão da garagem a visão fica maior. Pode deixar seu caminhão aí na frente porque meu carro vem equipado com asas, se eu precisar sair com ele é só apertar o botão que ele voa…

Mas só pensei, olhei pra ele, respirei fundo e apenas balancei a cabeça confirmando que iria sair. Ele se levantou e disse que ía tirar o caminhão…

Eles estavam descarregando feijão pra um supermercado aqui perto e o único local livre pra colocar o caminhão era uns 100 metros de ladeira abaixo, o que daria um trabalho danado pros coitados que estavam levando a mercadoria do caminhão pro destino final.

Com pena deles, me dispus a esperar que eles terminassem o serviço, já que não faltava muito. Avisei ao motorista que eu esperaria, tendo em vista a dificuldade que ele teria pra tirar o caminhão dalí e tals e tals, e fiquei uns cinco minutos parada na frente da garagem com cara de paisagem, esperando por eles…

Terminaram o serviço, fecharam o caminhão, o motorista se mandou de ladeira abaixo e eu fiquei cá parada na frente da garagem ainda com cara de paisagem, esperando o ‘obrigado’ do cara…

Muito gentil ele!

3

Anúncios

Cobra no WC


2

Intervalo da aula, deu aquela vontade básica de ir ao WC. No corredor que dá acesso ao mesmo, dou de cara com uma cobra, que já me saúda levantando a cabeça e botando um palmo de língua pra fora. Me abraço a parede, na tentativa de me afastar do ser rastejante, quando sem perceber piso no rabo de outra (Oh my God!) que tenta se enroscar no meu pé…

Dei um chute no ar e nem me dei o trabalho de ver onde a segunda cobra foi parar, meus olhos estavam na primeira que tava mais parecendo uma naja tentando se colocar de pé. Com o coração batendo no fio de cabelo mais longo, saí a passos largos procurando um cabra macho pra matar as peçonhentas.

– Moço, tem duas cobras alí, o senhor poderia matar?

Ele me olha meio incrédulo… Até eu não estava reconhecendo minha reação tão calma depois de ter sido abraçada por uma cobra!

Voltei com ele pra me certificar que a consumação do ato mortífero seria mesmo feita, a essas alturas eu já nem estava com vontade de ir ao WC e perdi totalmente quando um outro homem bem simpático me sai com essa:

– Ahh essas são pequenas, semana passada a gente tirou de dentro da piscina uma cobra de um metro e setenta centímetros!…

Jesus Cristo! Nunca mais eu invento de ir àquele banheiro, juro!

Michael W Smith no Recife Praise 2012


Sexta-feira, 13 de janeiro de 2012, por volta das 17 horas lá estávamos nós na entrada do Clube Português. Contrariando as minhas expectativas, o número de pessoas a espera era pequeno. Ótimo, isso me garantia um posicionamento melhor quando a largada fosse dada os portões fossem abertos…

Aparentemente tudo estava sob controle, mas na verdade a minha expectativa estava aumentando a cada segundo, depois de tantos anos, finalmente iria ver de pertinho Michael W Smith. Não o conhece?! Então passa aqui antes de continuar a leitura deste post…

Por volta das 19hs abriram os portões do clube e nos deixaram nos limites das catracas, cada um no seu respectivo grupo (pista, front stage e camarote). Quando finalmente o acesso foi liberado, isso depois das 19h30, foi cada um por si e Deus por todos… Carreira pra pegar o melhor posicionamento!!! Ufa! Consegui um lugar privilegiado, em frente ao teclado que possivelmente seria onde Michael tocaria…

O show começou com um cantor lá que nem lembro o nome, ele cantava bem sim, mas com a expectativa da chegada de Michael W Smith em carne, osso, nervos e afins, eu iria lá me ligar a mais nada… Vocês acham?! Meia hora depois finalmente o tal cantor terminou a apresentação dele e logo começaram a desmontar os instrumentos e uns caras diferentes apareceram… os crachás não negavam, era a equipe de Michael!!! Ihuuu!!

Bateria sai, bateria entra, guitarra sai, guitarra entra (com um guitarrista lindo de viver!), daqui a pouco aquele teclado ENORME se apresenta, não deixando dúvidas de quem era seu dono e depois de arrumações e afins, as luzes do palco se apagam e em meio a quase escuridão surge aquele vulto… ERA MICHAEL W SMITH! Não me pergunte o que eu senti naquela hora que eu nem sei explicar, só pensei comigo: ‘Putzzzzzz é ele!!!”

Tínhamos feito um cartaz dando as boas vindas a ele e quase tivemos uma sincope aguda fulminante ao perceber que assim que as luzes foram intensificadas em direção ao público ele percebeu o cartaz, apontou pro mesmo e fez um gesto de agradecimento… A cena ainda está vivinha na memória, pena que foi tudo tão rápido que nem deu pra registrar em foto ou video, mas… that’s all right!

A apresentação durou pouco mais de uma hora e foi perfeita, ficamos tão perto dele que se esticássemos os braços poderíamos até tocá-lo, e o que dizer de alguns momentos onde ele se abaixou bem na nossa frente e praticamente nos encarou?! Pense numa emoção!! Inesquecível!!

Os minutos passaram como milésimos de segundo e quando estávamos naquela euforia de “quero mais”, as luzes do palco foram enfraquecendo e aos poucos o levando para a escuridão nos deixando com aquela sensação de saudade. Posso dizer que foi a sexta-feira 13 mais de sorte que já tive em toda minha vida. Thank you God!!

Fiquem agora com algumas filmagens…

Michael W Smith no Brasil 2012 (Recife-PE). Eu vou \o/


Minha paixão por Michael W Smith é antiga, desde as épocas do “Change your World“, sempre tive vontade de conhecê-lo pessoalmente, mas desde então não tinha tido a sorte de organizarem um show com ele aqui nas minhas terras, até que uma bela noite um amigo meu liga perguntando se eu gostaria de ir ao show de Michael W Smith em Recife… WHAT?! AM I DREAMING?! E aí começa a história…

Quase tive um filho porque não consegui um camarote, era somente R$ 800,00 pelo ângulo mais privilegiado e onde que de uma hora pra outra eu ia arrumar 10 criaturas pra dividir o ângulo e o preço comigo? E por mais que eu goste de Michael W Smith eu não faria a loucura de arcar sozinha com essa despesa, só lembrando que eu sou professora a gente tem que deixar os camarotes pra outras pessoas também né.

Então tá, me joguei no Front Stage, tudo bem que não é um camarote, mas levando em consideração que tem a negada da Pista que vai ter que esticar muito o pescoço pra tentar ver alguma coisa, até que dava pra escapar sem grandes traumas, sem contar que com um pouco de sorte eu posso ficar bem no front do stage mesmo e quem sabe se Michael não me chama pro palco pra tirar uma fotinha com ele…  Porque cantar eu só canto no banheiro e quando estou só em casa #modedreamon

O problema agora é esse: pegar um lugar literalmente na front do stage e pra isso já estou me exercitando e montando meu plano de guerra. A estratégia já vai começar na entrada do clube e ninguém que se atreva a ficar na minha frente porque vai levar braçada. Tô logo avisando! E pra garantir uma vista privilegiada vou montada em 15cm, com quase dois metros de altura vai dar pra escapar legal né? Ahh e nada de ir com roupa básica, o evento é gospel, internacional, num clube e ainda a noite então pode sijogar nos brilhos e delírios né?! E tô apostando os dois dentinhos da frente pra tirar uma foto com Michael, então a primeira coisa é chamar a atenção dele, já estou com os cabelos vermelhos, com quase dois metros de altura e uns brilhos extras acho que vai funcionar legal, se ele não quiser ele vai me ver de todo jeito e tá ligado que vai ser  a foto no perfil das redes sociais durante o ano todo né!

Pra colocar todo esse plano em prática e fazer história, conto com a colaboração das amigas inseparáveis Darcikleyde e Lúcia e nesse vuco-vuco smithiano conhecí virtualmente Tacila e Quesia, e nosso grupo está completo, temos duas tradutoras, uma fotógrafa e duas animadoras. Tá tudo certo, enquanto Darcy e Lúcia distraem os seguranças, eu e Tacila invadimos o palco, Quesia tira as fotos e todo mundo se diverte!

É isso aí, sexta-feira tá chegando… aguardem o próximo capitulo!

Mudando o foco


Com o passar do tempo a gente percebe o quanto desperdiçamos nossa vida mimando nossos problemas. Ao invés de montar um plano para tirá-lo da nossa frente, nós arrumamos a mesa com nossos melhores talheres e o convidamos quase que todos os dias para participar das nossas refeições, colocamos nossos melhores lençóis e convidamos nossos problemas para compartilhar o nosso travesseiro e cedinho ainda saímos de mão dadas com eles, que nos fazem companhia em cada passo dado…

Com o passar do tempo a gente percebe que somos culpados por grande parte da infelicidade que nos cerca, já dizia o sábio Salomão que o avisado vê o mal e se esconde, mas contrariando toda a razão, a gente tende a ver o mal e convidá-lo para um chá da tarde na parte mais confortável da nossa casa, ainda que visualizando o abismo lá na frente, a gente sempre acha que somos dotados de super poderes e que criaremos asas quando chegarmos a beira do precipício…

Com o passar do tempo a gente percebe que o tempo não volta e mesmo contra nossa vontade a gente se dá conta que a cada momento mais nos aproximamos do fim e que independente do nosso querer, a cada agenda trocada, deixamos de fazer determinadas coisas que só cabiam nas paginas da agenda guardada e que nunca mais poderá ser usada novamente. É cruel, mas não adianta enfeitar, essa é a nossa realidade, queiramos ou não…

O tempo continua passando e possivelmente em alguma área da vida ainda estamos deixando que ele se perca, e certos tempos perdidos jamais serão recuperados… Não seria a hora de mudarmos a estratégia, deixar de cultivar problemas e ir em busca das soluções?

O nosso melhor tem que ser dado a quem o saberá valorizar


Com o tempo a gente aprende que não vale a pena dispor 100% da nossa atenção a todos ao nosso redor. Por mais que a gente faça para os outros, mas pra algumas pessoas o nosso esforço não significa nada. Não adianta esperar consideração de quem não a tem, ao inves de gastar nosso tempo precioso na dedicão a quem jamais dará o devido valor, é melhor duplicar, triplicar, quadruplicar a atenção àquelas pessoas que realmente sabem o real sentido da palavra amizade.

Aproveitando a oportunidade, quero agradecer  todo o carinho sincero  dos meus amigos, os de verdade. Quanto aos supostos… que pena, agora terão que fazer por merecer…

A vendedora não queria vender…


Entendo muito pouco sobre comercio e afins, mas de uma coisa tenho certeza: o objetivo de qualquer loja é vender, concordam comigo? Lá vai eu pra uma loja de eletrônicos comprar uma chapinha, perguntei a vendedora qual era a melhor e ela indicou uma lá, então tá, se essa é a melhor, então vamos levar…

– Só que elas acabaram de chegar e ainda tem que ser lançadas no sistema – Disse a vendedora –

– E demora? – Perguntei –

– Um pouco

Pensei que esse “um pouco” seria coisa de minutos e resolvi esperar. O detalhe é que eu pensei que a vendedora iria fazer o tal lançamento ou entrar em contato com o setor responsável, afinal, o objetivo de uma loja é vender e eu estava disposta a comprar. Mas não, ela foi atender outra cliente e eu fiquei ao lado com cara de paisagem esperando pelo nada.

Daqui a pouco chega outra vendedora e a primeira pergunta se Fulaninha já tinha lançado o produto no sistema ao que ela respondeu que não, e isso eu já estava aqui mudando de cor de raiva porque o tempo todo elas só focavam o problema e em momento nenhum a solução, aí eu perguntei já com ar de aborrecimento…

– Ah tá, então vocês não vão me vender?

– O produto ainda não está no sistema!

– E você vai deixar de vender por isso?!

– Mas como eu vou vender se o produto não está no sistema?

– Não tem como colocar no sistema agora?

– Fulaninha está resolvendo…

E eu tô aqui com cara de paisagem sem querer acreditar naquilo que estava acontecendo. Aí a primeira vendedora se vira pra mim e sai com essa pérola: “Olhe amiga, isso vai demorar muito viu…”

Agradecí a atenção e fui comprar em outra loja…

Tia, isso é um tablet!


E lá estava eu frente a vitrine de determinada loja, namorando um Tablet que era a coisa mais linda do mundo, quando a mulher que estava ao meu lado comenta com aquele tom de espanto: “Que celular né!?”, respirei fundo, contei até dez, levei em consideração a inclusão digital, a idade da criatura e disse que aquilo era um  tablet e ela: “Não é não, é um celular! Já pensou andar com um negocio desse tamanho no ouvido?!”. Contei até vinte, respirei profundamente e disse: “É um tablet, olha lá o nome na plaquinha”. Ela apertou os olhos, depois colocou os óculos e disse: “Ahhhhh ta!”. Foi embora com mais de mil sem fazer um comentario sequer sobre o “celular gigante”.

Agora eu que pergunto, usar um tablet como se usa um celular seria bem tenso né… O_o

Suponhamos que a tiazinha miope confundiu um tablet com um Iphone… Vai lá saber né… #morry!

Um domingo no parque…


Quem gosta de natureza levanta os braços… \o/

Domingo passado passei umas horinhas muito agradáveis na companhia de muitas árvores, uma lagoa, vários patos, pombos, pássaros, lagartos e afins. Look nas fotos e vídeos…

Por entre as árvores...

Feinho mas não menos interessante....

Olha que obra de arte!

Bela paisagem, não?!

Olha que Socó mais fofo...

Patinhos tomando um sol...

 

Olhando o tempo passar…

Agora vamos aos vídeos…

Então, eu já tinha ouvido falar em banho de gato, mas de pato… essa foi a primeira vez…

E olha o lagarto dando uma voltinha ao redor da lagoa…

Esse aqui é com certeza o melhor! Lá vai mamãe tartaruga nadando pela lagoa, quando de repente o filhote, provavelmente cansado, resolve pegar uma carona…

E daí que um lagarto se irritou com o outro e nisso começou a perseguição…

Meu primeiro dia de aula


Lembram que dia desses eu comentei que ía voltar a estudar? Não?! Vem cá que eu te lembro… Então, ontem foi o primeiro dia de aula, e como todo primeiro dia de aula, o começo foi aquela coisa burocrática cansativa de falar sobre a instituição, normas e afins. O segundo momento já foi cada turma em sua respectiva sala e com seus respectivos professores e coordenadores de curso. Confesso que pra mim foi uma experiência meio estranha, já havia passado uns cinco anos desde a última vez que pisei em uma sala como aluna, e acostumada  sempre a dar as ordens, agora era meio estranho estar do outro lado da história, principalmente porque alguns dos professores são também colegas de trabalho. 

Estranho também estar em meio a tanta gente bem mais nova que eu, tudo bem que não sou nenhuma vovó, mas se comparada a turminha teenagers de hoje, digamos que uns bons anos nos separam, me sentí como alguns alunos meus que voltaram a estudar, depois de dez, quinze anos fora da sala de aula, tudo bem que eu só estou fora há pouco mais de cinco, mas a sensação parece ser a mesma…

Passei a vida toda na área de Educação, começando pelo magistério e terminando em Letras, agora resolví partir pro lado da Logística, é uma área em grande crescimento pra esses lados de cá e com boas oportunidades pra quem domina uma segunda língua, por isso que resolví me dar essa chance. Sala de aula cansa, não é mesmo meus colegas professores?! E pelo visto essa canseira me alcançou…

Começamos pelo marketing e posso dizer que pra mim foi amor a primeira vista, ou seria paixão a primeira vista?! Vamos ver daqui uns meses, afinal tudo novo é novidade, é apaixonante, é colorido… mas enfim, nesse primeiro momento estou satisfeita com a escolha e obviamente espero que ela me dê bons resultados o mais rápido possível…